quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

A Trilha Sonora Das Nossas Vidas (Silvana Duboc)

A trilha sonora das nossas vidas é composta por músicas antigas sons ora românticos ora excitantes muitos agitados músicas do passado que falavam de amor  rocks, hoje ultrapassados melodias envolventes sem palavras indecentes
A nossa trilha sonora nos faz relembrar beijos que demos sob o luar quando nem sabíamos beijar
amassos no banco detrás do carro assistindo corrida de submarino
e nossos inocentes corpos emergindo loucos de prazer
quando nem entendíamos ao certo o caminho correto para o êxtase atingir
e ficávamos somente a sorrir num entrelaçar de mãos a escorregar por lugares proibidos de se tocar
A nossa trilha sonora conta muito da nossa história
das nossas rebeldias das nossas esquisitices das nossas manias tão diferentes das atuais
nada a ver com o que lemos atualmente nos jornais éramos jovens mais felizes
apesar de também cometermos deslizes
Não tínhamos grandes vícios
nem fazíamos sacrifícios para ter um corpo escultural
ser cheinho ou cheinha era coisa normal
Não se falava em malhar no máximo, a aula de ginástica no colégio éramos obrigados a freqüentar
regime nem pensar Tínhamos amigos de todos os tipos e o incrível é que com isso  não corríamos nenhum risco com eles nunca nos decepcionávamos tudo que nos falavam, acreditávamos existia lealdade diante de uma amizade
Não tínhamos celular pra que?
azar...
era no portão do amigo que a gente se punha a gritar quando algo queríamos combinar
A trilha sonora das nossas vidas tem certas músicas que ficaram esquecidas cantores cheios de charme que perderam os seus lugares pra lacraias moderninhas e tchans assanhadinhas
Internet também não existia amor por computador?
Que horror!
Gostávamos de cheiros de carícias de malícias ficar juntinho pra nós era uma delícia não existia essa coisa de "ficar" pra nós o bom mesmo era namorar, roçar
e ao final nunca chegar mas sinto ao longe ainda o sabor da cuba libre
o som daqueles bailes com orquestras espetaculares o acorde de músicas lá do passado
e claro,
o Roberto Carlos com seus detalhes
ajudando algum "pão" que nesse momento dançava com alguma menina sensação cheio de má intenção
dizer no seu ouvido "como é grande o meu amor por você“
ah...isso eu nunca vou esquecer
Haviam as galeras de rua mas não procuravam outras pra dar surra  se juntavam na esquina
paqueravam as meninas contavam piadas falavam coisas engraçadas E num vai e vem a trilha sonora das nossas vidas nem sempre fica esquecida às vezes retorna as paradas coisa engraçada pelo menos assim o nosso coração não há de esquecê-la então e  



isso...já é muito bom!

(Silvana Duboc)

2 comentários:

  1. Você é uma tremenda gata heim.

    ResponderExcluir
  2. Olha minha querida gatinha lê, linda poesia essa da nossa amiga Silvana, pois é, havia uma época que a gente sai de noite e as pessoas não cometam excessos e nem se preocupavam com modismos e ser "gordinha" era normal, mas pra falar a verdade, nem sei se ei a vivi, alguma coisa parecida existia no interior de São Paulo, hoje eu nem si mais se isso existe.
    Beijos

    ResponderExcluir