domingo, 30 de outubro de 2011

A pequena vendedora de rosas




Hoje eu vou contar sobre uma pequena vendedora de rosas.
em um dia de sábado meus pais resolveram fazer um programa em família e fomos todos a uma pizzaria,meu pai,minha mãe,eu e meu irmão,ao chegarmos na pizzaria fomos muito bem atendidos pelo garçom que prontamente nos dirigiu a uma mesa em um local privilegiado da pizzaria,no lugar que ocupávamos dava pra ver a rua a na calçada tinha algumas mesas aonde as pessoas bebiam,o local estava lotado,eu prestava atenção em tudo ao meu redor,ao olhar para a rua vi uma menina linda tinha entre 8 e 10 anos que vendia rosas ela oferecia suas rosas de mesa em mesa,na maioria das vezes ela não vendia e sempre agradecia com um sorriso as pessoas que não comprava,fiquei alguns minutos observando a menina,eu mostrei ela a meu pai que ficou a observa a menina,até que meu pai resolveu chamar ela,nesse momento veio o garçom e disse que não ficava bem uma menina mal vestida dentro da pizzaria e logo meu pai argumentou com o garçom dizendo que era responsabilidade dele,a menina veio com aquele sorriso lindo e olhar triste e conversamos durante alguns minutos,ela usava um sandália de dedo bem velhinha e suas roupas também era bem desbotada e velhas,ela estava limpa e bem penteada,mas percebia que no olhar daquela menina tinha muito sofrimento,ela nos contou que seu pai era muito doente e sua mãe fazia bicos e que tinha mais 3 irmãos menores que ela,meu pai lhe ofereceu um refrigerante ela pegou a lata do refrigerante e guardou,eu perguntei a ela se não ia beber ,ela disse que levaria pra casa pra dividir com os irmãos dela.ahhh o nome dela é Jéssica,e também nos contou que estudava na parte da manha e a noite vendia rosas pra ajudar no sustento da família,eu perguntei a ela qual era seu maior sonho ,ela respondeu que a unica coisa que ela queria era ver seu pai bem de saúde e que um dos seus maiores sonhos é ser professora pra ajudar a sua mãe,em uma mesa ao lado tinha umas pessoas que estavam reunidas e entre elas tinha um senhor já de idade,ele ouvia atentamente a nossa conversa,ele chamou Jéssica e perguntou quantas rosas ela tinha ela respondeu que tinha umas 100 rosas que as outras estavam guardadas em uma caixa,ele pediu a menina que pegasse todas as rosas e desse uma rosa a cada pessoa que se encontrava na pizzaria,ela chorou de alegria e distribuiu rosas a todas as pessoas,pelo menos nessa noite ela vendei todas as rosas graças a esse senhor que teve essa atitude,eu sei que um dia ela vai alcançar o seu sonho de ser professora,apesar da sua pouca idade ela tem determinação e todos os dias ela trabalha pra ajudar a seus pais,se algum dia você encontrar alguma Jéssica por ai vendendo rosas não a discrimine e a respeite,se ela esta ali,é por que não teve a mesma oportunidade que  alguns de nós.
Eu de vez em quando ainda a vejo,ela continua sorridente,linda e simpática e vendendo suas rosas,a boa noticia desse fato é que ela todos os dias vende todas as rosas comprada pelo dono da pizzaria seu único trabalho é distribuir as rosas entre os clientes que ali frequentam e tem recebido ajuda de algumas pessoas.
essa foi uma das lembranças que eu vou levar pro resto da vida,bjks a todos.
Esse relato foi escrito por Letícia Maria.





Quem Me Olha Só

Barão Vermelho

Já reguei quase todas as plantas
Já chorei sobre todo o jardim
Elas gostam da chuva que molha
Elas pensam que o sol é ruim
Quando o sol nos meus olhos brilhava
Por amar minha flor tanto assim
Fui feliz sem saber que secava
A rosa e trazia o seu fim
Hoje sente dó, quem me olha só
Entre flores, folhas e capim
Elas gostam da chuva que molha
Se alimentam do mal que há em mim
Hoje sente dó, quem me olha só
Eu tenho o carinho dos espinhos
Hoje sente dó quem me olha sozinho
Hoje sente dó, quem me olha só
Eu tenho os espinhos do carinho
Hoje sente dó quem me olha sozinho
Já reguei quase todas as plantas
Já chorei sobre todo o jardim
Elas gostam da chuva que molha
Elas pensam que o sol é ruim
Quando o sol nos meus olhos brilhava
Por amar minha flor tanto assim
Fui feliz sem saber que secava
A rosa e trazia o seu fim
Hoje sente dó, quem me olha só
Eu tenho o carinho dos espinhos
Hoje sente dó quem me olha sozinho
Hoje sente dó, quem me olha só
Eu tenho os espinhos do carinho
Hoje sente dó quem me olha sozinho

3 comentários:

  1. Olá Le. Gostei imenso da sua história, e está combinado, com ou sem rosas, irei tomar mais atenção às Jéssicas, ou vice versa. Parabéns e um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Oi Le.
    Exemplo de determinação da vendedora, de solidariedade do dono da pizzaria e de sensibilidade sua, pois mtas vezes coisas como essa passam despercebido aos olhos de mtas pessoas. Bjos

    ResponderExcluir
  3. Linda história... Parabéns pela postagem!!!

    ResponderExcluir